Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Sem data para voltar às salas de aula

Com atividades presenciais paralisadas desde o dia 19 de março, governo gaúcho utiliza outras formas para trabalhar o conteúdo com os alunos
FOTO - Divulgação FOTO - Divulgação

Ainda não há previsão para a retomada das aulas presenciais nas escolas públicas da rede estadual gaúcha. Apesar do recesso – em virtude da pandemia do novo coronavírus –, ter sido anunciado até o dia 30 de abril, o governo do Estado não deve retomar tão cedo as atividades para os estudantes nas instituições. A informação é do coordenador regional, responsável pela 20ª Coordenadoria Regional de Educação (20ª CRE), com sede em Palmeira das Missões, Marcos Hivan Petter Machado.

A informação foi confirmada pelo governador Eduardo Leite, após anúncio do novo modelo de distanciamento controlado que deverá ser adotado pelo RS já a partir de maio. “Considerando que temos 20% da população gaúcha em escolas públicas municipais, estaduais, privadas, nas universidades, pode ser algo que a retomada das aulas fique mais distante”, explicou Leite.

Enquanto isso, as atividades administrativas nas regionais de educação do Estado não pararam. Desde o dia 19 de março houve a liberação dos servidores em faixa de risco, que atuam por tele-trabalho, das 9h às 14h e o atendimento presencial está restrito, somente para casos de extrema urgência. Para as demais situações, o contato é via telefone, e-mail e outras ferramentas de comunicação, via internet.

Uso da tecnologia

Coordenador e coordenadora-adjunta, chefias e servidores estão participando de viodeconferências, com a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), que orienta sobre as medidas pedagógicas, financeiras e de recursos humanos adotadas neste período. “Todas as instruções estão sendo repassadas de imediato às equipes diretivas das escolas”, explica o coordenador.

Em virtude ao isolamento social, a 20ª CRE tem buscado formas alternativas para manter esse contato com as direções das escolas, o que ocorre via e-mail, telefone e redes sociais. “O resultado tem sido prático e efetivo”, avalia Machado, lembrando que novos canais estão sendo articulados. “O Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE) e a equipe de comunicação social estão dando suporte direto aos diretores e professores, com a criação de tutoriais esclarecendo dúvidas, bem como a disponibilização de canais de acesso mais estratégicos”, acrescentou.

Aulas programadas

Os professores também mantêm atividades, de forma remota. O trabalho está sendo executado por meio de aulas programadas e realização da primeira etapa do curso online “Currículo em Ação”, elaborado pela Seduc e disponibilizado no Portal de Educação. “Trata da elaboração do currículo escolar, e oferece certificação”, esclarece o responsável pela 20ª CRE. A Secretaria Estadual de Educação ainda oferece diversos cursos gratuitos para especialização dos docentes, de forma online, em suas plataformas.

– É importante frisar que as metodologias adotadas neste período são de aulas programadas, o que difere da modalidade EaD. A aula programada é a fixação de conteúdos já trabalhados em sala de aula, de maneira presencial. Conhecendo a realidade de seus alunos, docentes e gestores estão articulando as aulas da forma mais acessível para os educandos, seja via internet ou retirada das atividades xerocadas nas escolas, sempre cumprindo as medidas protetivas para evitar aglomerações –, detalha.

Inovação

E ainda, muitos professores estão inovando para repassar os conteúdos e atividades, utilizando recursos como WhatsApp, Google Classroom, viodeconferências, salas de aula online, vídeoaulas, entre outras ferramentas.

Conforme o coordenador, as aulas programadas terão validade na contagem dos dias letivos.

*Márcia Sarmento - jornalista - Jornal Folha do Noroeste

Mais notícias