Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

RS lidera consumo de bebida alcoólica no país, diz IBGE

Segundo pesquisa, 34,6% dos gaúchos bebem uma vez ou mais por mês.Índice de consumo abusivo, no entanto, é o menor do Brasil: 2,6%. Segundo pesquisa, 34,6% dos gaúchos bebem uma vez ou mais por mês.Índice de consumo abusivo, no entanto, é o menor do Brasil: 2,6%.

O Rio Grande do Sul lidera o consumo de bebida alcoólica no Brasil. É o que revelou a Pesquisa Nacional de Saúde para o ano de 2013, divulgada na quarta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo os dados do levantamento, 34,6% dos entrevistados no estado com mais de 18 anos disseram que bebem uma vez ou mais por mês. Atrás do Rio Grande do Sul, aparecem Santa Catarina (30,9%) e Bahia (30,5%). Nos bares da cidade, encontro com os amigos no fim da tarde e o copo quase sempre está assim: cheio. “A galera está bebendo muito e não é só cerveja, são todos os tipos de bebidas alcoólicas”, diz a enfermeira Aline Vitória do Canto. Mas porque os gaúchos bebem mais? De acordo com a psicóloga Daniela Fernandes Nunes, uma das explicações pode ser a colonização do estado. “Tem toda a questão da colonização no Rio Grande do Sul, que é italiana, alemã, que têma  bebida inserida tanto na produção do vinho quanto nas festas”, avalia. Por outro lado, o consumo abusivo de álcool no estado tem o índice mais baixo em todo o país: 2,6%. Só que um dado preocupa: 21% dos entrevistados afirmam que dirigem mesmo depois de beber. O hábito de consumir bebidas alcoólicas também começa cada vez mais cedo. Segundo os dados do IBGE, no estado os homens bebem pela primeira vez aos 17 anos. As mulheres, aos 20. Um homem que prefere não ser identificado conta que começou a beber aos 11 anos de idade e não conseguiu mais parar. “Eu comecei a beber escondido, comecei a gostar. Eu era uma pessoa excessivamente tímida, então eu bebia pra ficar desinibido”, conta. O que era de vez em quando, virou rotina. Foram 36 anos de alcoolismo até que ele conseguiu largar o vício. “Não importa a quantidade nem o tipo de bebida que a pessoa esteja bebendo, se o álcool está causando problema na sua vida, vamos tratar”, recomenda. (Nelson Buzatto) 

Mais notícias