Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Pinheirinho do Vale promove evento para controle do uso de agrotóxico

Objetivo do encontro foi ressaltar aos participantes os riscos e perigos do uso excessivo de agrotóxicos, tanto para quem produz quanto para quem consome os alimentos Objetivo do encontro foi ressaltar aos participantes os riscos e perigos do uso excessivo de agrotóxicos, tanto para quem produz quanto para quem consome os alimentos

Mais de 400 pessoas participaram, na tarde de quinta-feira (16/04), do encontro alusivo ao Dia Mundial da Saúde (07/04), promovido pela Prefeitura de Pinheirinho do Vale, Secretaria da Saúde e Emater/RS-Ascar, no Centro de Convivência do Idoso. O objetivo do encontro foi ressaltar aos participantes os riscos e perigos do uso excessivo de agrotóxicos, tanto para quem produz quanto para quem consome os alimentos.  “Nossa intenção é conscientizar a população, enfatizando os riscos que o mau uso de defensivos causa à saúde das pessoas, começando pelos agricultores que fazem uso desses produtos”, comentou a extensionista da área social da Emater/RS-Ascar, Josiane Argenta Bonafe. O encontro fez ainda alusão ao Ano Internacional dos Solos e buscou chamar a atenção para a riqueza e a fragilidade desse recurso, na tentativa de mobilizar a população para a importância de preservar e recuperar os solos. O evento iniciou com uma apresentação que relacionou a fertilidade humana à dos solos e à saúde. “Somos produtos do meio em que vivemos, nosso meio influencia em quem somos. O solo, a água, o ar, tudo isso faz parte do nosso meio e dependemos desses elementos para termos saúde”, exclamou o médico de Pinheirinho do Vale, Benvenuto Pelegrini. O Dia Mundial da Saúde teve como tema “Segurança Alimentar, do Campo à mesa (e em todos os lugares)” e buscou alertar todos os setores envolvidos na produção de alimentos da responsabilidade de cada um sobre a qualidade dos produtos que são levados à mesa das famílias. Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), que alerta sobre os riscos do excesso de pesticidas no campo, o Brasil despeja mais de um milhão de toneladas de agrotóxicos nas lavouras por ano. Isso resulta, em média, em 5 kg de veneno agrícola por pessoa. O técnico em segurança do trabalho Aquiles Bamberg explanou sobre o uso de agrotóxicos, sua origem, os benefícios, os riscos à saúde e os cuidados que devem ser tomados por aqueles que utilizam, com transporte, armazenamento, manipulação, aplicação e descarte de embalagens. “O uso de agrotóxicos eleva o risco à saúde dos trabalhadores rurais. É uma tecnologia que está aí para ajudar a produção, mas deve ser utilizada com muito cuidado e de forma correta”, comentou. Aquiles apresentou ainda as vestimentas adequadas para o manuseio e aplicação dos agrotóxicos, bem como a estrutura para armazenagem e os cuidados que os agricultores devem ter após aplicar o produto. A secretária municipal da Saúde, Adriana Sirlei Mueller Costa, destacou as inúmeras ações que são desenvolvidas no município, buscando levar qualidade de vida, saúde e bem-estar às famílias do campo e da cidade. “Nós desenvolvemos um trabalho de prevenção. Este é um tema muito importante e de interesse de toda a comunidade. Devemos estar atentos aos cuidados e aos efeitos desses produtos para nossa saúde”, afirmou. Para o gerente adjunto do escritório regional da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, Mario Coelho da Silva, o cuidado com a saúde deve ser um ato constante. “É necessário que nós cuidemos da nossa saúde nos 365 dias do ano. Esse encontro é importante para refletirmos e nos informarmos. Devemos levar esses conhecimentos para casa e tentar aplicar em nosso dia a dia”, completou. Família que busca mais qualidade de vida O casal de agricultores, Artidore Rodrigues e Maria Lorena Rodrigues, moradores da Linha União, interior de Pinheirinho do Vale, é mais um exemplo entre muitas famílias que estão fazendo a transição da produção do tabaco para outras atividades. A diversificação de atividades é uma saída que muitas famílias têm encontrado para garantir renda mensal e qualidade de vida nas pequenas propriedades. O principal motivo para deixar a atividade do tabaco foi parar com o uso do veneno, pois já estava causando problemas à saúde do agricultor. A produção orgânica de hortaliças foi a saída encontrada pelo produtor para aumentar a sua qualidade de vida e da família. Com mercado garantido, a produção de hortaliças está se tornando a atividade principal de geração de renda para o casal. (Marcela Buzatto - Assessoria de Imprensa Emater/RS-Ascar – Regional de Frederico Westphalen) Lucas Faustino    

Mais notícias