Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Morte do menino Bernardo completa seis anos

Condenados pelo caso ainda tentam recorrer da decisão, mas de todos, apenas um permanece em liberdade
Foto: Reprodução Foto: Reprodução

O dia 4 de abril ficará sempre marcado por um crime que chocou todo o país. Nesta data, Bernardo Uglione Boldrini foi friamente assassinado e até hoje, o caso permanece nos tribunais.

Após o desaparecimento no dia 4 de abril de 2014, o corpo de Bernardo foi encontrado apenas dez dias depois, enterrado dentro de um saco, próximo ao rio Mico, interior de Frederico Westphalen.

Edelvânia Wirganovicz foi considerada a autora do crime, por ter cometido o assassinato utilizando uma superdosagem de Midazolam (sedativo de uso restrito). Segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Evandro Wirganovicz, foi o responsável por abrir a cova vertical em que Bernardo foi enterrado. O pai e a madrasta, Leandro Boldrini e Graciele Ugulini, respectivamente, foram condenados por serem considerados os mandantes. O motivo do assassinato, seria a herança deixada pela mãe de Bernardo, falecida em 2010.

Caso ainda nos tribunais

Todos os acusados foram julgados pela Comarca de Três Passos e condenados. O julgamento é considerado o mais longo da história no Estado e foi presidido pela Juíza de Direito Sucilene Engler.

Leandro Boldrini, foi condenado a 33 anos e 8 meses de prisão (30 anos e 8 meses por homicídio quadruplamente qualificado, 2 anos por ocultação de cadáver e 1 ano por falsidade ideológica). Graciele Ugulini foi condenada a 34 anos e 7 meses de reclusão (32 anos e 8 meses por homicídio quadruplamente qualificado e 1 ano e 11 meses por ocultação de cadáver). Edelvânia Wirganovicz foi condenada a 22 anos e 10 meses (21 anos e 4 meses por homicídio triplamente qualificado e 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver). Evandro Wirganovicz foi condenado a 9 anos e 6 meses (8 anos por homicídio simples e 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver).

De todos os condenados, apenas Evandro conquistou a liberdade condicional, ainda em março de 2019. Os outros três já deram entrada ao pedido de revisão da pena, mas aguardam o recurso em regime fechado.

Mais notícias