Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Mandetta permanece no Ministério da Saúde

Após longa reunião ministerial, Luiz Henrique Mandetta concedeu coletiva de imprensa e afirmou novamente que “médico não abandona o paciente”

Após forte rumor sobre a demissão do Ministro Luiz Henrique Mandetta, coube ao próprio responsável pela pasta da saúde reafirmar a sua permanência no cargo.

Uma coletiva de imprensa foi convocada na noite desta segunda-feira, 6, para esclarecer os resultados da reunião ministerial, que contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro e do vice Hamilton Mourão. “A reunião foi muito produtiva, foi muito boa. Acho que o governo se reposiciona, no sentido de ter mais união, mais foco, de todos unidos em direção a esse problema”, frisou.

Ao reafirmar a sua permanência no Ministério, Mandetta explicou que o objetivo é ter um melhor ambiente para trabalhar.

– Hoje foi um dia que rendeu muito pouco aqui no ministério. Ficou todo mundo muito preocupado se eu iria permanecer, se eu iria sair. Nós vamos continuar, porque continuando a gente vai enfrentar o nosso inimigo. O nosso inimigo tem nome e sobrenome: COVID-19. Temos uma sociedade para lutar e proteger. Médico não abandona paciente, e eu não vou abandonar – ressaltou.

Ele ainda explicou que o país ainda não está pronto para o alto número de casos em metrópoles. “Nós não estamos preparados para uma grande escalada de casos nas nossas grandes metrópoles. Ainda temos muito o que fazer, mas já estamos muito melhor do que estávamos”, destacou.

Ainda durante a sua fala, Mandetta frisou que, se sair, toda a sua equipe de trabalho também deixará a pasta. “Aqui nós entramos juntos, nós estamos juntos e quando eu deixar o ministério, vamos colaborar muito para qualquer equipe que aqui venha, mas vamos sair juntos do ministério da saúde. Estamos à disposição da sociedade brasileira para trabalhar”, afirmou.

Distanciamento social

– O momento é de cautela, proteção aos nossos idosos e a nossas famílias. O momento é distanciamento social. Isso que vocês passaram nas últimas semanas não é quarentena, não é lockdown. Quarentena e lockdown é muito mais duro do que isso. A pessoa pode sim fazer uma caminhada, pode sair ao ar livre, mas não pode aglomerar. Acho que é isso estamos procurando levar a nossa mensagem – salientou.

Mais notícias