Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Júri dos réus pela morte do menino Bernardo será transmitido ao vivo pela internet

Foto: Reprodução Foto: Reprodução

O júri dos quatro acusados do assassinato do menino Bernardo Boldrini será realizado no dia 11 de março de 2019, a partir das 9h30, no Fórum de Três Passos e será transmitido ao vivo pela internet com cobertura no Twitter em tempo real. A data foi definida no mês de janeiro pela juíza Sucilene Engler Werle, titular da 1ª Vara Judicial da cidade gaúcha. 

Bernardo foi encontrado morto em abril de 2014 em Frederico Westphalen, e a investigação da Polícia Civil apontou superdosagem de um sedativo. Ele tinha 11 anos na época do crime.

Respondem por homicídio quadruplamente qualificado o pai da vítima, Leandro Boldrini, e a madrasta, Graciele Ugulini. Leandro ainda é réu por ocultação de cadáver e falsidade ideológica. Amiga de Graciele, Edelvânia Wirganovicz é acusada de homicídio triplamente qualificado. Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia, responde por homicídio duplamente qualificado.

A previsão é que o julgamento dure cerca de sete dias. A longo deste período, serão ouvidas 28 testemunhas, além dos quatro réus.

O caso Bernardo

A morte de Bernardo Boldrini comoveu o país há quatro anos. Segundo a investigação, o menino foi morto com uma superdosagem da medicação midazolam, aplicada pela madrasta Graciele Ugulini. Evandro Wirganovicz e Edelvânia Wirganovicz, irmã de Evandro, ajudaram a enterrar o corpo da criança em Frederico Westphalen, a 80 km de Três Passos, onde a família vivia.

Leandro Boldrini, pai da criança, chegou a notificar a polícia falsamente sobre o desaparecimento do filho. O corpo foi encontrado 10 dias depois da morte, envolto em um saco plástico, onde havia sido enterrado.

O processo é extenso – são 39 volumes e 8.190 páginas. Mais de 50 testemunhas foram ouvidas no período.

Os jurados decidirão se os réus são culpados ou inocentes dos crimes de homicídio quadruplamente qualificado (Boldrini e Graciele), triplamente qualificado (Edelvânia) e duplamente qualificado (Evandro), além de ocultação de cadáver. Boldrini também responde por falsidade ideológica.

Mais notícias