FM 95.9 -FM106.5

AM 1160

Grêmio é tricampeão Gaúcho

Mesmo com o 2 a 1 sofrido para o time da Serra, Tricolor levantou troféu do Estadual pela 39ª vez

O 39º título estadual da história do Grêmio, primeiro tri consecutivo após 33 anos, teve o selo de um time que se acostumou a vencer. A equipe de Renato Portaluppi fez valer a vitória do jogo de ida e, mesmo com a derrota por 2 a 1 (gols de Diego Souza, Laércio e Kannemann contra) para o Caxias, sagrou-se campeão do Gauchão - o único título em disputa em 2020, visto que Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores só serão concluídos em 2021. 

No Grêmio, Pepê, com problema muscular na coxa sentido ainda durante o jogo de ida, ficou fora da partida. Everton foi seu substituto. Além dele, Matheus Henrique, suspenso, deu lugar a Darlan, já que Maicon sentiu dores e ficou no banco. 

O retorno de Diego Souza foi a novidade na frente. O Caxias também mexeu. Lacerda escalou Marabá, que fez a lateral direita e adiantou Ivan para a linha da frente. O centroavante Marcelo Campanholo começou jogando e Claudinho fez sua estreia como titular.

A partida começou com o Caxias tentando atacar, em busca de um gol cedo que reacendesse as expectativas dos visitantes. Mas após algumas tentativas, o Grêmio passou a controlar o jogo e dar a ele o ritmo que lhe interessava. Com trocas de passe, participação dos laterais, começou a avançar e a mostrar que não ficaria satisfeito com empate.

Aos 15 minutos, chegou ao gol que precisava para ter tranquilidade total e encerrar com qualquer esperança do Caxias. Após cruzamento da direita, Everton, pelo lado esquerdo, pegou de primeira, já dentro da área. A bola bateu na trave e voltou para Diego Souza, que ajeitou e estufou a rede: 1 a 0, nono dele no Gauchão.

O gol não mudou muito o cenário do jogo. O Grêmio mantinha o ritmo que lhe interessava e arriscava esporadicamente. Um deles foi um chute de Jean Pyerre, perigoso, ao lado da trave. O Caxias respondeu em conclusão de Ivan, que Vanderlei defendeu. Pouco depois, Claudinho driblou Darlan e cruzou rasteiro. Marcelo Campanholo antecipou, mas concluiu para fora. 

A valentia do Caxias foi premiada aos 42. Ivan cobrou escanteio, a defesa do Grêmio afastou e a bola voltou para o jogador, na linha de fundo. Ele fez novo cruzamento e Laércio antecipou Vanderlei para deixar tudo igual. 

O Caxias foi para o tudo ou nada nos últimos 45 minutos do Gauchão. Lacerda colocou Bruninho no lugar de Marabá, devolveu Ivan para a lateral direita e tentou aumentar a pressão em busca do milagre. O problema para o treinador é que Marcelo Campanholo, seu centroavante, sentiu dores já na saída de bola. Vinícius Baiano entrou em seu lugar. 

E não é que os substitutos fizeram a parte deles? Eram 10 minutos quando Vinícius Baiano antecipou a defesa e fez jogada de pivô. Encontrou Bruninho, que bateu cruzado. Kannemann atirou-se na bola e seu carrinho fez a bola encobrir Vanderlei: 2 a 1.  

Imediatamente, Renato mexeu em sua equipe. Saíram Jean Pyerre e Everton, entraram Isaque e o recém-contratado Luiz Fernando. A partida seguiu de igual para igual, mas agora com o componente de que um gol do Caxias levaria a decisão para os pênaltis. 

Sem ver uma reação de sua equipe, o treinador gremista colocou Thiago Neves no lugar de Lucas Silva, expondo um pouco mais, mas tentando fazer o gol que lhe devolvesse a tranquilidade. Thiago Neves quase conseguiu. Em combinação com Isaque, o camisa 10 chutou de pé direito, e Marcelo Pitol espalmou.

Nos últimos minutos, Renato tirou Diego Souza e Darlan para os ingressos de Maicon e David Braz. Era hora de fechar a casinha e garantir o resultado que lhe desse o título. Para o Caxias, o consolo de uma grande campanha: em quatro jogos contra o Grêmio, foram três vitórias e só uma derrota. Para seu azar, a derrota foi justamente a única que valeu a diferença de gols na decisão.

Mais notícias