Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Governador eleito no RS deve divulgar secretariado nesta segunda-feira

José Ivo Sartori (PMDB) anunciará novos nomes para as secretarias.PP e PDT devem ganhar espaço no governo que assume no dia 1°. José Ivo Sartori (PMDB) anunciará novos nomes para as secretarias.PP e PDT devem ganhar espaço no governo que assume no dia 1°.

O governador eleito José Ivo Sartori (PMDB) deve anunciar nesta segunda-feira (15) mais uma parte do secretariado que irá compor o novo governo do Rio Grande do Sul. Sartori já divulgou três nomes para a Casa Civil, Fazenda e secretário-geral. A tendência é de que os novos nomes saiam do PP e PDT, além de um delegado da Polícia Federal, que é especulado para a Secretaria da Segurança Pública. Márcio Biolchi será o chefe da Casa Civil, Giovani Feltes vai assumir a Secretaria da Fazenda e Carlos Búrigo será nomeado secretário-geral de governo. "Estou gratificado por assumirem junto conosco essa missão de administrar o Rio Grande do Sul. São pessoas que têm caráter, firmeza e convicção", comentou o futuro governador. O novo governo assume o Palácio Piratini em 1º de janeiro de 2015. Futuros cortes em secretarias já foram confirmados por Sartori. O governador eleito afirmou que vai fundir algumas pastas e desdobrar outras, com o objetivo de ter “mais agilidade e dinâmica” nas ações de governo. Segundo ele, cerca de 20% das atuais secretarias serão extintas. A Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, por exemplo, é uma delas. “Tem que separar [algumas secretarias] para poder ter atividade normal. Outras serão juntadas no sentido de favorecer a diminuição do corpo da secretaria. É, no mínimo 20% [de enxugamento]. Para dar mais agilidade, dinâmica e comprometimento nas ações e programas”, declarou em entrevista à revista Veja. Um exemplo dado por Sartori é o desmembramento da Secretaria de Infraestrutura e Logística. Ela é, na visão do governador, uma pasta "muito pesada". "Existe uma secretaria muito pesada, que terá de ser separada. A de Infraestrutura, porque ela envolve transporte, portos, vias, e junto minas e energia. Então, deixa minas e energias e as organizações que estão ali no modo antigo e vamos transformar a parte de infraestrutura na área de transporte, das rodovias e tudo mais", declarou.  Foto: Rafaella Fraga/G1 (Nelson Buzatto) 

Mais notícias