Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

FW terá mobilização neste dia 15 de março

De norte a sul do Brasil — e até em alguns pontos do Exterior —, os últimos dias tem sido marcados por manifestações De norte a sul do Brasil — e até em alguns pontos do Exterior —, os últimos dias tem sido marcados por manifestações

Em Frederico Westphalen está marcado para as 18 horas deste domingo, 15 de março, com inicio na praça da Uri o protesto contra a corrupção e a alta carga tributária. O movimento está sendo marcado pelas redes sociais. O dia 15 foi escolhido pelos membros do Movimento Brasil Livre (MBL), como dia de luta pelo impeachment. Criado pela internet durante os protestos de junho de 2013, MBL, convoca um ato que deve ocorrer em mais de 50 cidades brasileiras, entre elas Porto Alegre, Caxias do Sul, Santa Maria e Eldorado do Sul. Também estão marcados atos em Boston (Estados Unidos), Londres (Inglaterra) e Sidney (Austrália). O grupo reivindica a saída da presidente Dilma Rousseff do cargo e o fim da corrupção, mas rejeita a hipótese de intervenção militar. Em nossa região, Iraí escolheu também realizou protesto, no dia 13 de março. Saiu para a rua reivindicar melhoras no sistema econômico brasileiro, no sistema político entre outras pautas. A caminhada organizada por entidades do município, reuniu mais de 600 pessoas. Em Porto Alegre, as movimentações começaram na última quinta-feira, 12 de março, com dois protestos no Centro. Um deles, articulado por diversos sindicatos, movimentos de esquerda, PSOL, PSTU e pelo DCE da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), se concentrou no Paço Municipal, de onde seguiu até o Palácio Piratini para protestar contra os "ataques" dos governos Dilma, Sartori e Fortunati aos direitos dos trabalhadores. Com integrantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Via Campesina, União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes (Ubes) e Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS), o outro protesto saiu em defesa da Petrobras e da democracia em dois atos. O primeiro foi em frente à Refap, em Canoas. Ao longo da manhã, os manifestantes se concentraram no Largo Glênio Peres, de onde seguiram para a Praça da Matriz. Heloise Santi/ Jornal Folha do Noroeste

Mais notícias