FM 95.9 -FM106.5

AM 1160

Dupla Gre-Nal têm reuniões sobre projeto de retorno do público aos estádios

Câmara de Porto Alegre pode liberar volta da torcida aos estádios da Capital
André Ávila / Agencia RBS André Ávila / Agencia RBS

Após a liberação da Conmebol para a volta do público aos estádios nas competições organizadas pela entidade, Grêmio e Inter estudam a questão junto aos governos locais. Desde fevereiro, tramita na Câmara dos Vereadores de Porto Alegre um projeto para o retorno dos torcedores às arquibancadas com 25% da capacidade total. O tema recebeu atenção da dupla Gre-Nal nesta segunda-feira, 12, em reuniões com o autor da iniciativa.

Mauro Pinheiro (PL) conversou com os presidentes Romildo Bolzan, do Grêmio, e Alessandro Barcellos, do Inter. Ele foi à Arena na tarde desta segunda para apresentar a ideia ao mandatário do Tricolor. Nesta terça-feira (13), o encontro será no Beira-Rio.

— Queremos colocar o projeto em votação na próxima quarta-feira (14). Eu já conversei com o prefeito Melo e ele não tem nenhuma objeção — relatou Pinheiro. 

A intenção é permitir que os estádios possam receber 25% de sua capacidade com distanciamento mínimo de dois metros entre os presentes. A alegação é de que os locais são arejados e com ventilação, além da fomentação do comércio que depende do futebol para seguir faturando.

— Nossa preocupação é que todas as regras sanitárias sejam cumpridas. Não queremos seguir o que aconteceu no final da Libertadores do último ano (no Maracanã), quando não se tinha nenhuma regra e se liberou a torcida de um jeito atropelado — resumiu Pinheiro a GZH.

O projeto pode receber emendas. Uma delas é a liberação apenas para torcedores vacinados. A questão já é levantada nos bastidores.

— Vamos fazer a discussão com os outros vereadores com a questão da vacinação e todos os cuidados sanitários que estão previstos em decretos — diz Pinheiro, que complementa:

— Já tem vereadores que comentam sobre a possibilidade de fazer uma emenda neste sentido (liberação para vacinados). Daria mais segurança.

Após a votação e aprovação na Câmara dos Vereadores de Porto Alegre, o projeto ainda terá de ser sancionado pelo prefeito Sebastião Melo (MDB). O rito tem 30 dias após a votação em plenário para entrar em vigor, mas poderá receber atenção especial em caso de entendimento do governante municipal.

*Com informações GaúchaZH

Mais notícias