Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Dívida do Rio Grande do Sul é 2,3 vezes maior do que a arrecadação

Foto: Divulgação Foto: Divulgação

Dono de um dos quadros financeiros mais graves do país, o Rio Grande do Sul é o Estado com a segunda pior relação entre o que deve e o que arrecada. De acordo com estudo divulgado nesta segunda-feira, 26, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a dívida consolidada — que inclui precatórios e pendências da administração direta e indireta no país e no Exterior — voltou a crescer e superou em 2,3 vezes o valor da receita corrente líquida (RCL). Isto é, de tudo o que o governo contabiliza em tributos no ano, descontadas as transferências exigidas por lei (como repasses para municípios).

No caso gaúcho, apesar dos esforços do governador José Ivo Sartori, a adesão ainda não se concretizou. O pagamento das parcelas está suspenso por liminar judicial, que pode cair a qualquer momento, e o Estado vem penando para cumprir todas as suas obrigações, em especial salários do Executivo e repasses para hospitais e prefeituras, todos em atraso. 

Os números apresentados pelo instituto — de agosto de 2018 — indicam que o cenário se agravou em comparação com o último relatório anual da dívida produzido pela Secretaria Estadual da Fazenda. Divulgado em junho, mostrou que, até dezembro de 2017, os débitos do Estado eram 2,19 vezes maiores do que a receita. De lá para cá, essa correlação não só se complicou, como o volume devido subiu: passou de R$ 76,7 bilhões para R$ 81,46 bilhões. Considerando a inflação, o aumento real foi de 3,25%. 

Fonte: GaúchaZH.

Mais notícias