Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Complexo Luz e Alegria destaca 30º Carijo da Canção Gaúcha

O Complexo dá ampla cobertura ao Carijo da Canção Gaúcha, na sua 30ª edição, que iniciou nesta quarta-feira e encerra domingo em Palmeira das Missões. Walter Moraes, que se apresenta hoje e também nesta quinta-feira, concedeu entrevista ao Complexo Luz e Alegria. Ricardo Favin conversou sobre o evento com o músico, o qual destacou a importância do evento que mobiliza Palmeira das Missões, a região todo o Estado.Chama do Carijo é acesa ao pé da caneleiraNão existiria lugar mais apropriado para acender a chama do Carijo da Canção Gaúcha do que a velha caneleira no Sítio Elisa, local onde o festival, que é Patrimônio Cultural do Rio Grande do Sul, foi idealizado. Há 30 anos, reuniram-se abaixo da robusta árvore expoentes do tradicionalismo que participavam do 31° Congresso Tradicionalista Gaúcho, em Palmeira das Missões. Mozart Pereira Soares, Hermes Garcia, Antônio Augusto Fagundes, Alcy Cheuiche, Rodi Pedro Borghetti, Milton Souza, Wilmar Wink de Souza, Angelino Alves, Euzébio Dalagnol, Paixão Cortez, Edson Otto, Lourenço Ardnghi Filho, Dorotheo Fagundes, Ademar Canavezi, e tantos outros foram os fundadores do Carijo.Na tarde desta chuvosa quarta-feira (27) a chama do 30° Carijo da Canção Gaúcha foi acesa, tendo como testemunhas familiares, amigos, autoridades cavalarianos do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina e alunos da Escola Técnica Agrícola Celeste Gobbato, em homenagem ao Centenário do professor Doutor Mozart Pereira Soares. O sobrinho do homenageado, Oli Soares, lembrou da importante ocasião de outrora que foi o embrião do festival, agradecendo a presença de todos. Também esteve presente o tradicionalista, médico veterinário, amigo e colega de Mozart, Carlos Cardinal, que também é jurado desta 30ª edição do Carijo. Segundo Cardinal, falar do professor Mozart significa abrir um livro da própria história do Rio Grande do Sul. “Em um de seus versos ele disse que aquele que tivesse um bom gênio que desse continuidade a cancheada crioula que ele iniciou”, comentou, acrescentando que Mozart era uma pessoa de traços de genialidade. Ainda, Cardinal lembrou que Mozart conseguiu quebrar um tabu referente ao conceito de que o homem gaúcho se vale do machismo. “Ele demonstrou a importância da mulher na formação do povo rio-grandense, sendo convidado por Érico Veríssimo para prefaciar a célebre trilogia O tempo e o vento”, contou ele.(Agostinho Piovesan) 

Mais notícias