Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Campanha de incentivo à amamentação começa nesta quinta em todo o País

Aleitamento materno é capaz de reduzir em 13% a mortalidade infantil por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos

A amamentação é capaz de reduzir em 13% a mortalidade infantil por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos, afirma o Ministério da Saúde, que abre nesta quinta-feira a Semana de Incentivo à Amamentação. A iniciativa ocorre em 170 países. No Brasil, a pasta lançou na sede da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), a campanha de incentivo ao aleitamento materno até os dois anos de idade e uma série de ações para estimular a prática. O goleiro da seleção brasileiro, Alisson Becker e sua esposa, a médica Natália Loewe, são os rostos da campanha, que será veiculada de 1º a 15 de agosto.

Durante o evento, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, resumiu todas as ações da pasta para incentivar o aleitamento materno, que ele considera um dos pilares da saúde básica, junto com a vacinação. Conforme a pasta, o aleitamento materno protege a criança de doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias. Além disso, reduz o risco de a criança desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes, sobrepeso e obesidade na vida adulta.

"Estamos investindo quase R$ 3,5 milhões nessa campanha nos diferentes meios de comunicação. Estamos aumentando o número de hospitais amigos da criança, estamos abrindo parceria com rede privada, para que eles façam salas de amamentação", informou Mandetta. Durante o lançamento da campanha nacional de incentivo à amamentação, o ministro anunciou a certificação de duas novas Salas de Apoio à Amamentação no Distrito Federal: uma na Fiocruz Brasília; e uma no Ministério da Cidadania. 

Os dois serviços terão capacidade para atender cerca de 800 mulheres em suas unidades. A ação de incentivo à criação de salas de apoio à amamentação é realizada em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria. O Brasil possui 228 Salas de Apoio à Amamentação em todo o país credenciadas pelo Ministério. Segundo Mandetta, as taxas de aleitamento materno nos municípios serão levadas em conta para o pagamento dos profissionais do programa Médicos pelo Brasil, que será lançado oficialmente amanhã pelo ministério, em Brasília."Quando tivermos a discussão sobre pagamento da saúde básica, a amamentação será um dos pilares, afirmou o ministro. 

Experiência única

Um grupo de mães participou da cerimônia de lançamento da campanha de incentivo ao aleitamento materno, entre elas a jornalista Nayane Taniguchi, mãe de Lucas, de 11 meses. Nayane pretende amamentá-lo exclusivamente no peito até os 2 anos, porque considera que é uma experiência única entre mãe e filho. "Eu pretendo amamentá-lo até o dia que ele quiser, na verdade. A gente segue as recomendações da Organização Mundial da Saúde. Eu pretendo seguir a indicação e até dois anos. E se, até lá ele tiver vontade de mamar, ele vai mamar".

A juíza Caroline Lima também participou da cerimônia do Ministério da Saúde para estimular a amamentação. Grande incentivadora do aleitamento materno, Caroline já credenciou quatro salas de apoio à amamentação no Tribunal de Justiça do Distrito Federal. A magistrada amamentou as duas filhas por mais de dois anos. No evento, ela enumerou os vários ganhos que teve no ato de amamentar as filhas.

"A gente nunca comprou um antibiótico, nunca precisou apresentar um atestado, desmarcar uma audiência para cuidar de filho doente. Elas têm saúde excelente, não têm alergia. E o vínculo estabelecido com a mãe isso não existe dinheiro no mundo que pague. Aquele olhar..Até hoje, às vezes, eu vejo fotos delas bem pequenniinhas mamando, aquele olhar, mãe e filha, e o maior valor que vou carregar para o resto da vida. Então, esse é o maior ganho." Além da propaganda, o Ministério da Saúde anunciou que vai habilitar 39 unidades de saúde como hospitais Amigo da Criança.

Isso significa que a pasta vai repassar a esses locais um total de R$ 11 milhões por ano para ajudá-los nas práticas que já adotam de incentivo à amamentação dentro e fora das unidades de saúde. Entre as ações para expandir a prática do aleitamento materno, a pasta da Saúde também pretende retomar levantamentos sobre amamentação para saber como ocorre o ato em todo o Brasil. Segundo o ministro Luiz Henrique Mandetta, a última pesquisa do gênero foi realizada em 2008.

Mais notícias