Ouça Agora

95.9 FM / AM 1160

Caminhoneiros ameaçam retomar paralisações no Brasil

Setor não teve principais reivindicações atendidas pelo governo Setor não teve principais reivindicações atendidas pelo governo

Caminhoneiros e transportadores autônomos prometem novamente “parar” o Brasil a partir do próximo dia 23 de abril, como ocorreu no final de fevereiro e começo deste mês. Não houve o atendimento da pauta principal de reivindicações da categoria durante a segunda rodada de negociações ocorrida nesta quinta-feira em Brasília: retirada do PIS e da Cofins sobre o óleo diesel, criação de uma tabela de preço mínimo dos fretes, uma linha de crédito de R$ 50 mil aos endividados e a anulação das multas de trânsito aplicadas durante os protestos, entre outros pedidos já encaminhados na primeira rodada.“Com certeza voltaremos a bloquear estradas”, afirmou após a reunião realizada na sede da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), um dos representantes dos autônomos e transportadoras, o gaúcho Fábio Luiz Roque. Conforme o deputado federal Osmar Terra (PMDB), o governo poderia ter avançado mas nada de oficial anunciou. De acordo com o parlamentar a retirada do PIS e da Cofins correspondem a um alívio de 8% sobre o combustível. “Essa medida significaria uma sobra de R$ 2 mil mensais no bolso do autônomo”, disse Terra.Na Câmara dos Deputados já tramita uma emenda que propõe a transferência de cobrança do PIS e da Cofins para o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), explicou o deputado. Em relação à tabela dos fretes o secretário-Geral da Presidência, ministro Miguel Rossetto, afirmou que a proposta pode ser derrubada judicialmente se for efetivada. O motivo é elementar: o setor, como todos os demais da economia, é regulado pela lei da oferta e da procura e não por tabelas.O único aceno positivo, conforme Luiz Roque, foi em relação ao pedido de prorrogação, por um ano, das dívidas da categoria contraídas junto ao programa Pró-Caminhoneiro – de financiamento a compra de caminhões novos. A matéria, segundo o deputado, pode ser votada nos próximos dias. Participaram também da reunião, os ministros do Trabalho, das Cidades, dos Transportes e do Trabalho, mais senadores, empresários e dirigentes da ANTT. (Nelson Buzatto)  

Mais notícias